Dengue deixa comunidade de Bem-te-vi em alerta

Aplicação de fumacê deve ser medida adotada caso Arapuã entre em epidemia

Aplicação de fumacê deve ser medida adotada caso Arapuã entre em epidemia

O Departamento Municipal de Saúde de Arapuã está em alerta com a possibilidade de uma epidemia de dengue no município, especificamente no bairro rural de Bem-te-vi. Até o fechamento da edição, eram dois casos confirmados e pelo menos 20 notificações de pessoas que apresentaram sintomas da doença. Caso boa parte dessas suspeitas seja confirmada, é grande a possibilidade que o município de Arapuã seja considerado endêmico para a doença.

O coordenador de endemias da 22ª Regional de Saúde de Ivaiporã, Cláudio Nunes, comenta que o primeiro caso suspeito surgiu há cerca de 2 semanas na comunidade e, na semana passada, houve uma elevação no número de pessoas suspeitas com a doença. Com elas apresentaram os sintomas característicos da doença e o bairro tem uma elevada proliferação do mosquito Aedes Aegytpi, a Regional de Saúde e o Departamento Municipal de Saúde iniciaram o bloqueio epidemiológico, quando se realiza o borrifamento de inseticida em todos os imóveis da localidade onde surgiram os casos suspeitos, além de um arrastão, eliminando os possíveis locais de proliferação do inseto.

Nesta terça-feira, dia 23 de abril, está sendo finalizada mais uma semana epidemiológica e, com isso, o total de notificações de casos suspeitos na localidade de Bem-te-vi chegou a 22 pessoas, além de uma no bairro Beija-flor. Todos os pacientes tiveram sangue coletado, que está sendo encaminhado para o Lacen (Laboratório Central) da Secretaria de Estado da Saúde. Caso a maioria das suspeitas seja confirmada para dengue, o município passa a ser considerado endêmico para a doença, onde além do bloqueio epidemiológico, também serão adotadas outras medidas, entre elas a aplicação de inseticida pelas caminhonetes fumacê, em pelo menos cinco ciclos de pulverização, até que o mosquito seja completamente eliminado.

Claudio Nunes ressalta que o município só é considerado endêmico para a doença, a partir do momento que são registrados 300 casos autóctones para cada 100 mil habitantes. No caso de Arapuã, a proporção seria a confirmação de pelo menos 10 casos da doença contraídos no próprio município, ou seja, de pessoas que não viajaram para outras cidades nos últimos 15 dias.

Dos dois casos confirmados até o momento, um deles está sendo investigado, já que o paciente esteve em Londrina, recentemente e, por isso, pode ser considerado importado. O supervisor de endemias ressalta que é muito importante que a população tenha consciência de fazer a eliminação dos locais que possam acumular água e onde o mosquito possa se proliferar. Todos os 16 municípios jurisdicionados a 22ª Regional de Ivaiporã apresentam infestação do inseto e, por isso, toda a população precisa fazer sua parte

Comentários