Palestra marca lançamento do Manual de Orientações para Idosos nas ATI’s

Palestra sobre processo de envelhecimento marca lançamento do manual. Por: Divulgação

Palestra sobre processo de envelhecimento marca lançamento do manual

Fonte: Divulgação

Com palestra sobre processo de envelhecimento, aconteceu no dia 19 de março, no salão dos Idosos de Jardim Alegre, o lançamento do Manual de Orientações para os Idosos na Utilização da Academia da Terceira Idade (ATI’s), desenvolvido pelo doutorando em Prescrição de Exercício Físico na Promoção da Saúde, Luiz Carlos Pereira (Chocolate) e pelo Dr. Alex Silva Ribeiro.

O manual tem o intuito de auxiliar a população idosa na utilização dos equipamentos das ATI´s com segurança e praticidade, servindo ainda como ferramenta para o estímulo da prática de atividade física em uma condição prazerosa e com resultados objetivos.

No Brasil, pessoas com 60 anos ou mais são consideradas idosas, de acordo com a Política Nacional do Idoso - Lei nº 8.842/94, sendo a população que mais cresce no país em velocidade preocupante, pois de acordo com o IBGE, estima-se que em 2039 teremos mais pessoas com 60 anos ou mais do que adolescentes de 14 anos.

De acordo com Luiz Carlos Pereira, a preocupação com esse crescimento se deve ao impacto que poderá influenciar na saúde pública de todo país e, nenhum município se prepara para atender essa demanda, que sinaliza em uma crescente a cada ano, podendo criar um caos no sistema de saúde e no atendimento a essa população. Com um país deficitário, tanto econômico como em políticas públicas no setor, o cenário pode se tornar desanimador em um período curto de tempo. “Se considerarmos os dados do IBGE, hoje, temos de 15 a 20% da população composta por idosos, ou seja, se exemplificarmos de forma simples, a população do município de Jardim Alegre com 13.500 pessoas, a população de idosos gira em média em torno de 2.200 pessoas; levando em conta que o atendimento com as políticas públicas ofertadas pelo município atinge 200 pessoas, podemos afirmar que ainda estamos engatinhando e as ofertas, por parte dos municípios, não conseguem atingir 10% da população idosa”, argumentou o palestrante.

Conforme o doutorando, uma das formas de amenizar esse impacto iminente seria a implantação de responsabilidades voltadas ao atendimento especializado para essa população, como curso técnico em todas as instituições escolares para cuidador de idosos, obrigatoriedade de um percentual do investimento da saúde, exclusivamente, no atendimento a essa população, investimento nas contratações no setor de educadores físicos para atender os programas voltados à prática regular de atividade física, visando o crescimento da qualidade de vida e as inter-relações sociais através das intervenções e acompanhamento dos agentes de saúde a essa população de forma mais efetiva.

Comentários