Apostolado da Oração reflete sobre Campanha da Fraternidade

Aparecido Freitas incentiva participação dos cidadãos na construção de políticas públicas. Por: Antonello Nadal

Aparecido Freitas incentiva participação dos cidadãos na construção de políticas públicas

Fonte: Antonello Nadal

Os representantes do Apostolado da Oração da Paróquia Santíssima Mãe de Deus de Ivaiporã fizeram, recentemente, uma reflexão a partir da quaresma e da Campanha da Fraternidade, que trata de políticas públicas.

Integrante do movimento, Aparecido Freitas destacou aspectos do lema da Campanha da Fraternidade, “serás libertado pelo direito e pela justiça”; incentivou a ajuda aos mais fragilizados e chamou a atenção para a importância da sociedade civil organizada e comunidades cristãs participarem e acompanharem de perto o que acontece no aspecto social da igreja.

Aparecido Freitas recordou que Deus prega que nada adianta as práticas religiosas como peregrinações, orações, jejuns e sacrifícios, se não há respeito pelos direitos dos desfavorecidos e injustiçados. “O verdadeiro jejum desejado por Deus é romper a cadeia das injustiças, quebrar todo jugo de opressão e dar dignidade aos miseráveis”, disse Freitas.

Como forma de despertar a consciência e incentivar a participação de todo cidadão na construção de Políticas Públicas em âmbito nacional, estadual e municipal, o texto- base da Campanha da Fraternidade 2019 aponta uma série de iniciativas que ajudarão a colocar em prática as propostas incentivadas pela campanha.

Como exemplo dessas ações, o texto-base, além de contextualizar o que é o poder público, os tipos de poder e os condicionantes nas políticas públicas, fala sobre o papel dos atores sociais nas Políticas Públicas. A participação da sociedade no controle social das Políticas Públicas é outro tema de destaque no texto-base. “É preciso que os projetos de políticas públicas justas entrem na pauta dos governantes, mas que também a sociedade se mobilize por meio de palestras, reflexões e debates que estabeleçam propostas concretas para que se tenham políticas públicas mais justas”, defendeu o representante do apostolado.

Comentários