Palmital precisa demitir comissionados para saldar precatórios

Imagem da notícia.

A população de Palmital foi surpreendida, nos últimos dias, com a notícia que a prefeitura demitiu uma série de funcionários comissionados. Desde o dia 1 de março, entre 40 a 45 funcionários que exerciam cargos de primeiro e segundo escalão na administração municipal foram dispensados de sua função.

O prefeito de Palmital, Valdinei de Souza, concedeu entrevista ao jornal Paraná Centro, após a eleição da Amocentro, e confirmou as demissões. Ele disse que foi obrigado a tomar a atitude, por recomendação do Tribunal de Contas do Paraná, como primeira medida necessária para o pagamento de precatórios, que precisa ser feito de forma imediata.

Segundo o prefeito, esses precatórios são resultados de dívidas, referentes a ações de pessoas que prestaram serviço à prefeitura e sofreram acidentes do trabalho e não foram indenizados. As dívidas são de até 20 anos e tiveram seus julgamentos realizados recentemente e, se não forem pagos, o município fica sem certidão negativa e, consequentemente, sem a possibilidade de repasses de recursos do governo do Estado e Governo Federal. “Para o bem de Palmital, tivemos que tomar algumas medidas amargas, para não travar o desenvolvimento. A maneira mais rápida de fazer isso é enxugar a folha de pagamentos e isso só pode ser feito com os cargos comissionados”, ressalta.

O prefeito revela, com dor no coração, que não tem alternativa a não ser demitir as pessoas que são de sua mais alta confiança e que foram escolhidas pela competência e pelo que fazem de apoio à população.

A Prefeitura de Palmital tem 54 cargos comissionados, mas alguns deles não podem ser mexidos, por ferir direitos constitucionais.

Ele acredita que os precatórios totalizam cerca de R$ 1 milhão e que isso trava o desenvolvimento de Palmital. O prefeito não descarta a possibilidade de tomar outras medidas, mas a demissão dos cargos comissionados foi a primeira recomendada pelo Tribunal de Contas. “Queremos contar, nesse momento, com o apoio dos funcionários concursados, pois precisamos desse apoio para dar continuidade aos serviços”, ressalta o prefeito Nei.

Comentários