Sebrae trabalha cadeia produtiva de leite

Produtores, representantes de laticínios e instituições participam da mobilização

Produtores, representantes de laticínios e instituições participam da mobilização

Representantes de laticínios, instituições de assistência técnica, sindicatos e produtores rurais participaram, na semana passada, do lançamento do projeto Foresight Leite e Derivados, organizado pelo Sebrae, com o apoio da Seab (Secretaria de Estado da Agricultura e Abastecimento), Emater e Sindicato Rural de Ivaiporã. A metodologia foi apresentada pelo consultor Emílio Beltrami, coordenador internacional do projeto, que é desenvolvido em parceria com o Centro Tecnológico Cosmob, na Itália, e desenvolvido em vários países da Europa.

No Paraná, além de Ivaiporã, o projeto Foresight, que em inglês significa previsão, é realizado em Foz do Iguaçu e Cascavel.

O consultor Emílio Beltrami ressalta que a ideia do projeto é organizar a cadeia produtiva de leite, por meio de uma governança local e de uma rede de instituições e empresas que possam conversar entre si e definir temas prioritários, como aumento da competitividade de toda a cadeia produtiva, por meio de estratégias que possam qualificar os pequenos negócios, com um viés da tecnologia e da inovação.

As ações serão desenvolvidas ao longo do ano e, nos três primeiros meses, será feito um diagnóstico do nível de tecnificação do produtor da região Vale do Ivaí. A partir da definição dessas tecnologias, será estudado o que precisa ser inserido, quais as inovações e o nível que precisa ser adotado pelas empresas.

Beltrami comenta que esse projeto ajudará também na competitividade do produtor, especialmente quando se pensa em internacionalização. “Hoje, a concorrência se dá pela qualidade e não apenas pelo crescimento do preço, que pode ser um fator que prejudica o produtor”, frisa.

A melhoria na produtividade precisa de dois componentes importantes, que é a tecnologia e o capital humano. “Temos que trabalhar a capacitação dos nossos recursos humanos e introduzir as tecnologias que permitem ter um produto com qualidade maior e, hoje, essa é uma receita que podemos ter somente em uma rede estruturada de empresas, produtores e instituições, que trabalhem junto no mesmo território”, comenta.

A consultora do Sebrae em Ivaiporã, Joelma Katto, comenta que o objetivo desse trabalho é preparar o produtor para o futuro, pois a questão da inovação é uma pauta que está sendo debatida em todos os setores e, na produção de leite, isso não poderia ser deixado de lado. “Um produtor de queijo precisa ter um diferencial para estar no mercado e ser sustentável pelos próximos 10 anos”, comenta Joelma Katto. “A ideia da metodologia é trabalhar os produtores para as inovações e, com isso, se tornarem mais competitivos”, salienta.

Ao final do ano será montada uma missão, que vai visitar a sede do Instituto Cosmob, na Itália, e onde serão avaliados os resultados e se o trabalho terá continuidade. O próximo encontro será realizado no dia 4 de abril.

Representantes das instituições que apoiam o evento

Representantes das instituições que apoiam o evento

Comentários