Estado investe R$ 780 milhões em infraestrutura escolar

O Governo do Estado investiu mais de R$ 780 milhões em 2018 para garantir a execução dos programas voltados às áreas de transporte e alimentação escolar para estudantes da rede estadual de ensino. Os recursos também foram destinados a obras de construção, reparo e de ampliação das escolas, além de equipamentos.

“Houve um grande investimento na área da educação para concretizar melhorarias na infraestrutura das escolas e assim assegurar as condições necessárias de aprendizagem para nossos alunos. Investir em educação é investir no cidadão”, destacou o diretor-presidente da Fundepar, José Roberto Ruiz.

Em 2018 foram concluídas as últimas 667 obras do Programa Escola 1000, criado para acelerar a revitalização das escolas estaduais. O investimento do Governo foi de R$ 100 milhões divididos entre mil escolas estaduais de todas as regiões do Estado. Elas foram escolhidas pelos Núcleos Regionais de Educação de acordo com as prioridades e cada uma recebeu R$ 100 mil, recursos depositados em conta de Fundo Rotativo para o projeto de reformas. As melhorias foram definidas com participação de toda a comunidade escolar.

Por meio do Programa Reparo Rápido foram concluídas 151 obras em escolas estaduais de todo Paraná. Outras 103 intervenções serão finalizadas no início de 2019. O investimento é de R$ 52,1 milhões.

Outra importante ação foi a retomada de todas as obras de infraestrutura dos colégios estaduais que foram paralisadas em virtude das ações da Operação Quadro Negro. O investimento de R$ 38,5 milhões pelo Governo do Estado garante a continuidade dos projetos e contribuir com a melhora do ensino na rede estadual.

A retomada das obras é acompanhada pelo Ministério Público. Do total de 15 escolas, cinco já foram concluídas e já nos primeiros meses de 2019 serão entregues outras seis. Uma obra será feita em parceria com a Prefeitura de Campina Grande do Sul. Duas estão em fase de rescisão de contrato porque as empresas vencedoras das licitações não cumpriram as obrigações e haverá novo processo.

Comentários