Cooperados falam sobre a importância da Coamo para o desenvolvimento de Ivaiporã

Aldori Hinselmann

Aldori Hinselmann

Aldori Hinselmann - Sou nascido no Sabugueiro, em Ivaiporã, e estou com 58 anos de idade. Sou cooperado desde 1995, quando a Coamo iniciou em Manoel Ribas. A vantagem é que, às vezes, a gente não tem o dinheiro, mas compra e paga depois com a colheita. Conseguimos comprar os insumos mais baratos, também tem a questão da loja de peças, que tem muita opção.

A cooperativa sempre ajuda, porque faz a análise da terra e, aos poucos ela vai melhorando; o plantio direto ajudou muito. A Coamo também gera muitos empregos e desenvolve a produção da cidade, que é muito melhor do que era antes da Coamo.

Renata Martins Gonçalves

Renata Martins Gonçalves

Renata Martins Gonçalves - O que me motivou a associar foi a praticidade, pois a Coamo ajuda os agricultores. Os agrônomos são prestativos, vão até a terra, aconselham e passam tudo o tem que fazer; prestam assessoria e também tem a questão dos planos de pagamentos e isso é muito bom. Tem um retorno no final do ano, que também é muito bom.

Somos duas irmãs e meu pai; ele que toca a propriedade e eu cuido da parte administrativa, do dinheiro, e ele trabalha na terra. Essa parte de negociação, de banco, ele deixa comigo, e plantamos apenas com seguro.

A cooperativa gera muito emprego e recolhe o imposto de tudo e isso é muito bom, precisamos de mais empresas como essa. Além da assistência técnica e também do apoio veterinário, pois meu pai também mexe com gado; tem também a venda de peças.

Renato Ribeiro

Renato Ribeiro

Renato Ribeiro - Fiz um esforço grande para que a Coamo viesse para Ivaiporã; associei-me à cooperativa em 1984, ainda em Pitanga, e quando veio para Manoel Ribas, já melhorou bastante. E depois que ela chegou a Ivaiporã, a cidade cresceu muito. Cheguei a Ivaiporã em 1979, vindo de Jataizinho, e fui um dos primeiros produtores de soja do município. A cidade cresceu muito desse tempo para cá.

Faz 19 anos que a Coamo está instalada aqui e contribuiu muito para o crescimento da cidade. Um fato que lembro, em uma conversa com um advogado, é que citei o crescimento que Manoel Ribas teve quando a Coamo chegou por lá, e eu esperava que o setor produtivo também desenvolvesse muito em Ivaiporã e foi o que aconteceu. O atendimento sempre é muito positivo, e só ligar que eles nos atendem de prontidão; e o desenvolvimento da agricultura faz com que a cidade também se desenvolva. Adoro Ivaiporã e espero que os prefeitos que forem eleitos façam o melhor para o povo de Ivaiporã. E quero desejar um feliz aniversário para Ivaiporã.

Annael Vieira

Annael Vieira

Annael Vieira -Sou cooperado da Coamo há mais ou menos 25 anos e comecei como associado em Manoel Ribas. Quando a Coamo veio para Ivaiporã, eu transferi minhas atividades para cá. Sou um cooperativista nato, eu adoro a associação de pessoas, sempre com o objetivo de conseguir melhores resultados e, hoje, temos uma cooperativa que nos representa. Ela foi muito importante, pois comecei a produzir apenas a partir dos 50 anos e precisava de auxílio de alguém que me orientasse e achei isso na Coamo, que tem um departamento técnico muito bom, que orienta e dá condições de produzir. Mesmo sem dinheiro temos condição de levar os insumos para fazer o plantio. Temos também as sobras, que retornam para a nossa conta e, quando completamos 65 anos, esse dinheiro começa a ser devolvido para o produtor, principalmente porque na hora que o envelhecimento vem, é quando você precisa de mais recursos. A cooperativa me ofereceu um monte de coisas. Eu só sei produzir, não sei mexer na área comercial, e a cooperativa faz esse papel para mim. Ivaiporã é uma cidade antes e uma cidade depois da Coamo. A cooperativa tem uma atividade justa, que recolhe todos os impostos e dá segurança aos produtores. Podemos notar que as coisas mudaram muito, melhoraram; é só olhar no estacionamento da Coamo, lá vemos que os produtores conseguiram uma estabilidade financeira. Antes da Coamo, éramos tratados como um agricultor qualquer e agora como produtor rural.

Comentários