Como tomar antibióticos e não criar resistência? Quem cria resistência: a bactéria ou a pessoa?

Imagem da notícia.

Nosso corpo abriga normalmente, mais de 100 trilhões de microrganismos, incluindo bactérias. Isso mesmo! Temos mais bactérias do que células. Incrível imaginar isso, não é mesmo? Esta multidão de bactérias vive em harmonia com o nosso corpo e nós precisamos delas para o equilíbrio de funções vitais. Estas bactérias “do bem” ainda nos defendem das bactérias “do mal”, as patogênicas. Estas sim, provocam doenças.

E o que fazem os antibióticos?

Eles destroem as bactérias que provocam doenças que podem nos matar. Antes da descoberta dos antibióticos, uma pessoa poderia morrer por causa de uma simples dor de garganta. Só que tem um problema… Como todos os seres vivos, as bactérias lutam pela própria sobrevivência, sendo assim elas desenvolvem uma “inteligência” para não serem eliminadas.

Funciona assim: cada antibiótico tem um alvo específico. Por exemplo, para as penicilinas o “alvo” é a parede da bactéria. A penicilina impede que a parede se forme. Consequência: a bactéria não sobrevive sem a parede e morre. Mas com o passar do tempo e o uso frequente, as bactérias “entenderam” que a penicilina ataca a sua parede. Resultado: produziram o contra-ataque: uma enzima que destrói a penicilina. Pronto. Assim formou-se uma bactéria resistente. E o mais incrível é que esta bactéria poderosa passa esta informação para seus descendentes.

Por exemplo: uma pessoa tem tuberculose e está tomando antibiótico. Não segue e prescrição, toma o medicamento de forma irregular e até resolve parar o tratamento por conta própria. Isso abre a oportunidade para a bactéria entender o mecanismo do antibiótico e, assim, criar resistência. Uma pessoa que nunca teve tuberculose pode pegar esta tuberculose resistente a todos os antibióticos, o que torna o tratamento muito mais difícil e delicado.

Por isso, são pesquisados constantemente novos antibióticos que usam outras estratégias para destruir as bactérias. E para não criar resistência, os antibióticos devem ser extremamente controlados. Ou seja, devem ser usados somente quando são necessários e durante todo o tempo da prescrição.

Estamos em uma “guerra” contra microrganismos “inteligentes”, que podem causar doenças fatais para nossa família e amigos queridos. Esta arma poderosa tem que ser usada na hora certa!

Siga a prescrição, direitinho. Isso significa tomar todas as doses prescritas e no tempo certo. Nunca devemos parar antibióticos no meio do tratamento, sem orientação médica.

Para não criar resistência a antibióticos, temos que usá-los a nosso favor. Não existem pessoas resistentes, existem bactérias resistentes. Temos que ter muita responsabilidade quando utilizamos antibióticos, pois senão esta “arma” pode se voltar contra nós mesmos.

Comentários