Clube de Leitura do Sesc Ivaiporã recebe escritor Miguel Sanches Neto

Escritor Miguel Neto interage com integrantes do Clube de Leitura. Por: Antonello Nadal

Escritor Miguel Neto interage com integrantes do Clube de Leitura

Fonte: Antonello Nadal

No sábado, 6 de outubro, fãs de literatura puderam bater um papo com o escritor Miguel Sanches Neto sobre a trajetória dele como escritor e como reitor da Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG). O encontro integra a programação do projeto Clube de Leitura, desenvolvido na unidade do Sesc Ivaiporã, sempre aos sábados.

Além de estimular a leitura e ampliar o acesso ao universo literário, o Clube de Leitura aproxima leitores e escritores por meio de conversas e trocas de experiências. “O Clube de Leitura acontece aos sábados a partir das 09h00 no Sesc Ivaiporã, e durante o 1º semestre um dos autores lidos foi o Miguel Sanches Neto. Por isso, o convidamos para que ele pudesse contar sobre as obras, como começou a escrever e como se deu o processo criativo na vida dele”, explicou a técnica de atividades na área de Cultura, Bruna Almeida, citando que o outro autor trabalhado pelo projeto neste ano foi Domingos Pelegrini, que esteve na 37ª Semana Literária, realizada em setembro.

Conforme Bruna Almeida, a atividade gratuita contribui para que as pessoas leiam e discutam sobre literatura, onde são lidos livros de romance, contos, poesias. “Cada participante traz a sugestão de leitura para o grupo interagir. Além desses encontros com escritores, a ideia é promover oficinas de escrita”, informou Bruna Almeida.

Miguel Sanches Neto é formado em letras, mestre em Literatura Brasileira pela Universidade Federal de Santa Catarina e doutor em letras pela Unicamp. O primeiro livro escrito pelo poeta nascido em Peabiru foi Inscrições a Giz. No entanto, ele alimentava o sonho de escrever um romance e sua primeira publicação com essa temática foi intitulado “Chove sobre a minha infância”, uma história de auto ficção, onde Miguel Neto relata a infância triste dele em meio à ditadura militar, onde as crianças tinham que trabalhar.

De acordo com o escritor, o romance de conflito entre ele e a cidade de Peabiru exacerba o realismo da narrativa. “Esse livro me deu muita projeção, pois trouxe uma nova perspectiva que é contar a própria história através de um romance de cultura popular e erudita, sendo inclusive lançado em Barcelona, na Espanha”, comentou o escritor.

Sanches Neto publicou livros como o Amor Anarquista, e escreveu crônicas por 19 anos na Gazeta do Povo, além de ter sido colunista de jornais e revistas de expressão no Estado.

Comentários