ENEM 2018

Nesta semana, a coluna traz uma notícia sobre o ENEM, tendo em vista que o assunto diz respeito a milhões de brasileiros: na última sexta-feira, dia 28 de outubro, o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) divulgou a Cartilha da Redação do Enem 2018. Trata-se do manual que traz orientações sobre a correção dos textos, além daquilo que é ou não permitido nas redações elaboradas.

A novidade que pegou os candidatos de surpresa foi a exclusão do item “desrespeito aos direitos humanos” como um dos motivos para zerar a redação. A medida atende à decisão judicial proferida em 2017 e, de fato, já corre desde a edição do ano passado. Porém, o candidato deve ter em mente que a atitude não lhe garante a nota máxima. Por quê?

Segundo a Cartilha de Redação, dois momentos mencionavam a violação aos direitos humanos: motivos para a nota zero e regras das cinco competências. Cada uma rende o máximo de 200 pontos e a nota final é a soma de todas elas. Na quinta, consta “elaborar proposta de intervenção para o problema abordado que respeite os direitos humanos”.

Ou seja, caso o candidato inclua medidas que desrespeitem os direitos humanos em sua proposta de intervenção, pode receber pontuação inferior na respectiva competência.

Acerca da questão sobre a nota zero da redação, quais são os critérios considerados válidos pelo manual para a edição de 2018? A lista segue abaixo:

• Folha de redação em branco;

• Texto predominante em língua estrangeira;

• Identificação do candidato fora do campo estabelecido para tal;

• Partes desconectadas do tema proposta de forma deliberada;

• Desenhos, impropérios e formas de anulação como sinais gráficos e números fora do texto;

• Reprodução total dos textos de apoio;

• Redações com até sete linhas;

• Estrutura dissertativo-argumentativa não seguida;

• Fuga total ao tema.

Caça aos pontos eletrônicos

Também na semana passada, o Ministério da Educação (MEC) autorizou que 11 milhões de cadernos de provas do Enem 2018 fossem distribuídos pelos Correios. Os exames saíram distribuídos em 70 mil malotes em caminhão lacrado acompanhado de carros do 4º Batalhão do Exército de Osasco.

Os 5,5 milhões de inscritos contarão com sistema de segurança ampliado em cinco vezes, além de malotes fechados por lacre eletrônico. A diretora de Gestão e Planejamento do Inep, Eunice Santos, confirmou que o número dos detectores de pontos eletrônicos é o quíntuplo da edição anterior, garantindo a igualdade entre os participantes.

Na quinta-feira passada (27), as provas foram encaminhadas aos municípios destinatários de formas aérea e terrestre. Inicialmente, os cadernos são armazenados em instalações dos Correios até seguirem para os locais de aplicação. Outra novidade para 2018 é o processo de solicitação para reaplicação do Enem.

Agora, o candidato só poderá fazê-lo pela página do participante e, não mais, pelo telefone, como era feito até o ano passado. O estudante que comprovar prejuízo no momento da prova poderá pedir pela reaplicação em até cinco dias contados a partir de 11 de novembro. Os testes serão reaplicados em 18 e 19 de dezembro considerando a última nota obtida.

Comentários