Coordenador do Samu esclarece dúvidas sobre atendimento

Claudeney Martins e Cesar Andreazzi explicam atendimento do Samu

Claudeney Martins e Cesar Andreazzi explicam atendimento do Samu

O enfermeiro Cesar Andreazzi, responsável técnico do Samu (Serviço de Atendimento Móvel de Urgência) de Ivaiporã e o diretor municipal de Saúde, Claudeney Martins, concederam entrevista ao Paraná Centro e esclareceram alguns pontos sobre o funcionamento do serviço e em quais situações as ambulâncias são deslocadas para os atendimentos. Apesar do serviço já estar em funcionamento há quase um ano em Ivaiporã, ainda existem muitas dúvidas dos usuários sobre quando acionar o 192 ou solicitar o serviço de transporte sanitário do município.

Andreazzi comenta que o Samu atende todas as demandas feitas pelo telefone. Inicialmente, o usuário é atendido por um tele-atendente, que é técnico em enfermagem; ele anota os dados iniciais da ocorrência e faz a primeira triagem do serviço. Na sequência, a ligação é repassada para o médico regulador, que diante das informações repassadas pelo usuário e, seguindo os parâmetros técnicos, define pelo encaminhamento da ambulância de suporte básico, suporte avançado, atendimento aeromédico, ou se será solicitado o apoio da ambulância do município ou uma simples orientação ao usuário. “Algumas vezes, o caso do paciente é crônico, ou seja, não se enquadra nas situações de urgência e emergência, nas quais as ambulâncias do Samu são deslocadas”, salienta Andreazzi.

O enfermeiro revela que a central de regulação médica segue protocolos técnicos, em que são avaliados os graus de urgência de cada ocorrência. “Uma dor de cabeça, por exemplo, tem várias causas e, às vezes, está acontecendo há dias, e isso é um caso crônico; nessas situações, se o paciente não tem como ir para um posto de saúde ou pronto atendimento, é solicitado o transporte do município, pois não se enquadra em um caso de urgência”, explica.

César Andreazzi informa ainda que o município de Ivaiporã conta com um veículo de suporte básico, que além do município, também atende Ariranha do Ivaí, Arapuã, Jardim Alegre e Lunardelli; e de suporte avançado, que atende os 14 municípios jurisdicionados a 22ª Regional de Saúde.

A central de regulação, para onde as ligações de 192 são direcionadas, está localizada em Umuarama, sede do Samu Noroeste, que além de Ivaiporã e Umuarama, atende as regionais de Campo Mourão, Cianorte e Paranavaí. São mais de 400 ligações por dia e, por isso, é necessário um filtro inicial para o atendimento dos pacientes. “A prioridade do atendimento é pela classificação de risco, é importante que as pessoas entendam que o Samu não é um serviço de deslocamento de ambulância e que por isso é feita a regulação, para que os casos de urgência e emergência sejam priorizados”, esclarece o enfermeiro.

Cesar Andreazzi destaca que o Samu tem um serviço de ouvidoria e auditoria interna e todas as ligações são gravadas e podem ser solicitadas pelo usuário.

O diretor municipal de Saúde, Claudeney Martins, ressalta que o serviço de ambulância do município procura atender a todos os pacientes, mas também tem uma escala de prioridades. Ele relata que muitas pessoas têm procurado o Pronto Atendimento, no período noturno, para consultas eletivas, que poderiam ser realizadas em uma unidade básica de saúde ou no posto central. Ele comenta que, nesses casos, o paciente tem que esperar, pois o pronto atendimento, assim como o Samu, também prioriza as ações de urgência e emergência. “Nesses casos, o ideal é que a pessoa procure a UBS perto de sua casa ou o posto de saúde para ter acesso a esse tipo de atendimento”, comenta.

Comentários