Uso de onde e aonde

Na linguagem oral pouco se faz distinção entre onde e aonde – a diferença de pronúncia é pequena, mas na língua escrita, essa distinção é imprescindível.

x1) ONDE =lugar em que / em que (lugar). Indica permanência, o lugar em que se está ou em que se passa algum fato. Complementa verbos que exprimem estado ou permanência e que normalmente pedem a preposição em:

Onde estás?

Você sabe onde fica o Sudão?

Onde moram os sem-terra?

Não entendo onde ele estava com a cabeça quando falou isso.

Não sei onde me apresentar nem a quem me dirigir.

2) AONDE = a que lugar. É a combinação da preposição a + onde. Indica movimento para algum lugar. Dá ideia de aproximação. É usado com os verbos ir, chegar, retornar e outros que pedem a preposição a:

A mulher do século 21 sabe muito bem aonde quer chegar.

Não sei aonde ou a quem me dirijo.

Aonde nos levará tamanha discussão?

Faz três dias que saiu do hospital, aonde deverá retornar brevemente para uma revisão.

Estavam à deriva, sem saber aonde ir.

Aonde você vai todo dia às 9 horas?

Sabes aonde eles foram?

Há lugares no universo aonde não se vai só.

É preciso atentar para a colocação desses termos quando complementam uma locução verbal com o verbo auxiliar ir, que pode confundir o redator. O que interessa observar é o verbo que tem ligação com onde/aonde, qual seja, o verbo principal (o que vem por último na locução). É o caso desta frase, retirada da revista Istoé:

Na terça-feira, antes de viajar para Madri, onde foi receber o prêmio “Príncipe de Astúrias”, o presidente Fernando Henrique Cardoso estava preocupado com a retomada da onda de violência nos Estados.

Nesse caso, o pronome relativo onde está ligado a receber e não a foi, mero auxiliar, tanto é que no mesmo lugar se poderia dizer “onde recebeu”.

Ainda mais importante do que saber usar onde ou aonde, é esclarecer que o pronome relativo onde não deve ser usado como conectivo (elemento linguístico usado para ligar, conectar duas orações), haja vista que muitas pessoas, por desconhecimento do valor semântico dos conectivos, o fazem. Por exemplo: [...] assistência passiva ao suicídio, onde o paciente tem que administrar a dose letal prescrita por conta própria em seu corpo, onde, para isso [...]

Observa-se que o conectivo foi usado apenas para ligar uma ideia a outra, sem a preocupação (talvez por desconhecimento) em escrever um texto coeso e coerente. Para que isso não ocorra, é fundamental que as pessoas conheçam o valor semântico dos conectivos.

Comentários