A MODA E A LINGUAGEM (PARTE II)

Na semana passada, mostramos algumas expressões que não colaboram para se obter um bom texto. Citamos os meios de comunicação como uma das fontes de expressões problemáticas, pois se elas são lidas ou ouvidas provindas de jornalistas, apresentadores ou entrevistados na TV, os leitores/espectadores ficam com a certeza de que são adequadas e seu uso vai sendo disseminado.

Sendo assim, selecionamos mais algumas expressões que empobrecem o texto, porque são impróprias, ou porque o significado não é aquele que o falante tinha em mente ou ainda por terem sido empregadas em construções inadequadas:

• Por conta = por causa

O modismo dessa expressão atinge o emprego de preposições simples e curtas – como com, contra, por e de – resultando no que um cronista chamou de “enrolação palavrosa”. Veja alguns casos em que a linguagem deveria se pautar pelo simples:

• Corintianos fazem piada por conta da derrota do Palmeiras (com);

• Fulana está deprimida por conta da separação (com);

• Moradores protestam por conta da situação das ruas do bairro (contra);

• O escritor foi processado por conta de plágio” (por);

Nos casos acima, as construções ficariam mais claras, concisas e objetivas, se tivessem sido empregadas as preposições que estão entre os parênteses.

• Repercutir

O dicionário Michaellis traz, para esse verbo1, o sentido de ressoar, refletir-se, causar impressão generalizada ou afetar algo. Assim, devemos dizer que O acontecimento repercutiu no cenário mundial ou O som dos tambores repercutiu no Pelourinho. Não se pode empregar como alguns jornalistas tem feito: A imprensa mundial repercutiu a notícia. O ideal é dizer que a notícia repercutiu ou que a imprensa mundial divulgou a notícia.

• Sazonalmente = ocasionalmente

Certa vez um ministro deu a seguinte declaração: “Um avião não é feito para cair, mas ele sazonalmente cai. O que não se pode dizer é que ele todo ano tem que cair. Assim é o sistema elétrico brasileiro.” (Edison Lobão – Ministro das Minas e Energia 2011-2014)

O adjetivo sazonal é derivado do latim sationis, que significa “estação do ano” e, por extensão, “tempo próprio para a colheita”. E estendendo ainda mais um pouco seu significado, passou a caracterizar tudo aquilo que ocorre em ciclos, regularmente, como as estações, as safras e fluxos turísticos em cidades litorâneas, por exemplo. Já a queda de aviões não é previsível, nem cíclica! E não há nenhuma característica que permita que seja comparada a apagões de energia elétrica.

Outro exemplo que corrobora a importância da mídia na forma das pessoas expressarem-se e incorporarem os modismos linguísticos é a campanha ONU Mulheres, com o suporte do Comitê Nacional Impulsor Eles por Elas He for She: “Respeita as mina. É simples.” O slogan é inspirado no movimento criado pela Secretaria de Políticas para Mulheres, do Governo da Bahia, e tem o objetivo de alertar os foliões sobre o problema do assédio sexual, no caso, especificamente, no carnaval, quando aumenta o assédio.

Já no contexto dessa coluna, ressalta-se o uso do artigo no plural (as) e o substantivo no singular (mina), o que caracteriza o uso coloquial da Língua Portuguesa.

Teste da semana

Que opção completa corretamente as lacunas da frase “Os motivos __________ ele não veio foram ______ explicados”?

(a) porque / mal;

(b) por que / mal;

(c) porque / mau;

(d) por que / mau;

(e) por quê / mal.

Gabarito e explicação na próxima semana.

1 http://michaelis.uol.com.br/moderno-portugues/busca/portugues-brasileiro/repercutir/ Acesso: 12 mar. 2017.

Comentários