Projeto social insere mulheres no ciclismo

Projeto Cicling Nards incentiva mulheres a conhecer o ciclismo

Projeto Cicling Nards incentiva mulheres a conhecer o ciclismo

Há aproximadamente um mês é comum ver nas ruas de Ivaiporã um grupo de mulheres andando de bicicleta. É o projeto social Cicling Nards, que nasceu com objetivo de inserir mulheres no esporte como forma de lazer e qualidade de vida. A responsável pelo projeto é a bancária Silvia Nardi, que é bicampeã paranaense de ciclismo de estrada.

Aos 45 anos, a bancária conta que conheceu o pedal há aproximadamente 4 anos e se apaixonou pela prática do esporte sobre duas rodas e, hoje, o tem como filosofia de vida. “Conheci o ciclismo quando estava em Maringá; recebi um convite para fazer um passeio pedalando com o grupo Bicicultura, que tem um projeto social para ensinar o ciclismo às pessoas, e me apaixonei por esse esporte”, afirmou Silvia Nardi.

Além de melhorar o sistema cardiovascular e respiratório, contribui para a perda de peso e adquire massa muscular. Silvia Nardi conta que o ciclismo já garantiu a ela inúmeros benefícios e, nesse sentido, decidiu, juntamente com o marido Alessander Sanches, ensinar e inserir as mulheres no esporte.

Quando conheceu o marido, Silvia Nardi só pedalava Mountain Bike, que é uma bicicleta específica para fazer trilhas no percurso de terra, sempre em território rural, e como a especialidade de Sanches é o ciclismo de estrada, Speed, bike voltada para velocidade, a bancária resolveu ampliar o universo no pedal. “Esse projeto tem muita influência do meu marido, que me fez crescer no esporte, tanto na terra, quanto no asfalto, e foi assim que me tornei bicampeã paranaense”, acrescentou Silvia Nardi.

Grupo se diverte ao andar sobre duas rodas

Grupo se diverte ao andar sobre duas rodas

O Cicling Nards iniciou no dia 6 de outubro, com um workshop sobre o ciclismo, mostrando os componentes da bike e os benefícios de andar sobre duas rodas e, em pouco mais de um mês, o projeto ganhou corpo e conta com aproximadamente 40 mulheres. As pedaladas acontecem pelo menos uma vez por semana, sempre às terças-feiras, a partir das 19h00, saindo da Avenida Brasil, 1805, e percorrendo um trajeto de 10 a 15 km por dia. No entanto, conforme contou Silvia Nardi, nos outros dias da semana também é comum ver a mulherada pedalando pela cidade, de acordo com a disponibilidade de cada uma. “O dia oficial da pedalada é terça-feira, mas nos outros dias as meninas combinam de sair para pedalar, sempre com os devidos equipamentos de segurança, que são obrigatórios e protegem uma vida”, comentou a ciclista responsável, lembrando que o grupo é formado por médicas, enfermeiras, auxiliar de enfermagem, empresárias, donas de casa e até grávidas e mães que estão se recuperando da dieta, praticando o ciclismo.

Conforme Silvia Nardi, além de ser sinônimo de qualidade de vida, pedalar para ela significa sensação de liberdade e, desde que o projeto foi implantado em Ivaiporã, o feed back das mulheres tem sido altamente positivo. “O pedal dura uma hora por dia e alivia stress, queima calorias e dá para ver a alegria e satisfação que essas mulheres sentem durante o percurso. Uma vez que você aprende a pedalar, jamais esquece e esse exercício diário faz criar habilidades”, finalizou.

Comentários